Categoria: Inspiração (Página 1 de 5)

Sou Suficiente

Se eu te perguntar o que é ser vulnerável para você, provavelmente virá algum pensamento sobre fraqueza, fragilidade ou incapacidade, certo? Fomos educados a enxergar a vulnerabilidade como algo “negativo”. Mas sabe de uma coisa?! Hoje revi meu conceito sobre vulnerabilidade, e compreendi onde está um dos meus maiores equívocos na vida, e que tanto tem me gerado frustração!

Compreendi a importância de assumir minha vulnerabilidade para poder me tornar verdadeiramente autêntica na vida!

O ser humano nasce e vive para se conectar com outros seres humanos, mas, se existe uma coisa capaz de desfazer conexões, é a vergonha! A vergonha pode ser vista como o medo da desconexão, e te faz pensar coisas do tipo: “Há algo sobre mim que, se outras pessoas souberem, fará com que eu não mereça conexão?”. E na verdade, todos nós sentimos isso em diversos momentos da vida.

O que sustenta essa ideia de que “não sou boa o suficiente”, “não sou magra o suficiente”, “não sou rica o suficiente”, ou seja lá o que for, é uma vulnerabilidade dilacerante. Para que a conexão aconteça, precisamos nos permitir ser realmente vistos, mas temos medo e vergonha de nos mostrarmos exatamente como somos.

Entendi que a vulnerabilidade, essa que nos deixa envergonhados e com medo, é exatamente a mesma que irá nos proporcionar os melhores momentos de nossas vidas! Aceitar e exibir nossa vulnerabilidade, com a sincera crença de que somos MERECEDORES de amor e pertencimento, faz TODA A DIFERENÇA!

Entendi também que viver abraçando a vulnerabilidade (e não lutando contra ela), é ter CORAGEM de ser imperfeita, é ter compaixão para ser gentil comigo mesma para depois ser com os outros, é estar disposta a abandonar quem pensava que deveria ser a fim de ser quem realmente sou, e que isso sim, é viver de forma autêntica.

A vulnerabilidade não é algo confortável, mas também não é assim tão doloroso. Basta ter DISPONIBILIDADE para dizer eu te amo primeiro, a disponibilidade de fazer algo sem garantias, ou de investir em um relacionamento que pode ou não funcionar…

Vivemos em um mundo vulnerável, e uma maneira que encontramos de lutar contra isso, é anestesiando as nossas vulnerabilidades, nossos sentimentos ruins. Mas o problema é que não temos como anestesiar seletivamente só o que nos desagrada, quando fazemos isso, anestesiamos também as alegrias, a gratidão e a felicidade, e então nos sentimos infelizes, procurando um propósito na vida, e nos sentimos vulneráveis, e isso se torna um ciclo perigoso.

Permitir que sejamos vistos, vistos profundamente, vulneravelmente, amar com o coração, mesmo que não haja garantias, praticar gratidão e alegria nos momentos mais difíceis, apenas parar e ao invés de criar catástrofes mentais sobre o que poderia acontecer, apenas dizer “sou grata por isso”, porque sentir-se vulnerável, significa estarmos vivos!

Entendi a importância de lembrar-me diariamente que: “Sou suficiente”. E mais do que lembrar, é acreditar nisso! Somos todos vulneráveis, imperfeitos e SUFICIENTES!

Francine Pressi

Quem tu quis e quer ser?

Volto para minha infância e penso naquelas perguntas bobas que me faziam. Lembro de perguntarem se eu queria casar, se seria na igreja, como eu queria que fosse meu namorado e marido, quantos filhos eu gostaria de ter, como eu enxergava minha futura casa, qual seria minha profissão, quanto dinheiro eu pretendia ganhar, mas noto que faltou a pergunta: “Quem tu quer ser quando crescer?”. Afinal de contas, ser adulto não tem haver com o que conquistei. Ser adulto só diz respeito a quem eu me tornei.

Entre tantas dúvidas que eu tinha quando era criança, porque não sabia escolher só um futuro pra mim, achava tudo muito confuso, eu sempre tive uma certeza: querer fazer a diferença. Eu escolhi quem eu me tornaria e dia após dia tenho batalhado para que aquela criança que fui possa sentir orgulho de quem sou e serei. Fazer escolhas é mesmo difícil. Às vezes, com alguns gestos ou palavras, escolhemos algo sem perceber. Tudo o que fizermos hoje, com certeza, terá consequências amanhã.

Mas no fundo, bem no fundo, é difícil ter preocupação com o presente. O nosso futuro é tão incerto, né?! Vamos viver tudo o que há pra viver, já dizia a música do Lulu. Vamos sair, vamos beber, vamos beijar, vamos extrapolar! E se… O amanhã existir? E se… Pudéssemos saber que vamos viver muitos anos? E se… Pudéssemos acreditar que a vida é longa? Quando éramos crianças, era apenas isso que pensávamos.

Se você soubesse que vai viver muitos anos, repensaria nas tuas atitudes? Você seria capaz de refletir sobre o que fez? Você pediria perdão? Perdoaria? O que você faria? O que você deixaria de fazer? O que você vai levar desta vida? O que você vai deixar aqui? Quem você quer ser? Como quer que lembrem de você?

São muitas perguntas, mas só uma resposta interessa. Você está, hoje, sendo quem gostaria de ser?

Quando eu partir, quero que lembrem de mim com carinho. Quero ter tocado muitos corações. Quero ter vivenciado milhares de emoções. Quero ter me entregado aos abraços, aos beijos, ter feito laços. Quero que lembrem de mim sorrindo. Quero ter sido luz, amor, paz e calor para todos os que puderem conhecer quem eu realmente sou. Se não for assim, prefiro que nem lembrem de mim.

E você, está construindo, de verdade, a sua marca, sua identidade? Não perca tempo por egoísmo ou vaidade! Seja quem você sempre almejou ser! Não por um momento, mas para quem fica, como um alento. Fique atento!

Luana Taís Nyland

Você é especial

Qual foi a última vez em que fizeram você se sentir especial?

Qual foi a última vez em que você se olhou no espelho e se sentiu realmente especial?

Qual foi a última vez em que você fez alguém se sentir especial?

Quanto mais conheço e convivo com diferentes grupos de pessoas, mais eu percebo o quanto as pessoas andam carentes de carinho, de atenção, o quanto estão com a autoestima baixa, se sentindo incapazes, tristes, ansiosas e/ou depressivas.

Todos correm alucinadamente para bem cumprirem seus afazeres pessoais e profissionais, mas esquecem de reservar um tempo, mínimo que seja, para si próprios. Não há tempo para a escuta sincera e para a reflexão.

Tu te recordas qual foi a última vez em que um simples sorriso e um abraço sincero, embalados pelo ritmo harmonioso de dois corações batendo em uníssono, te fizeram sentir uma pessoa única e especial? Quando foi? Quem foi e em qual situação?

Talvez devêssemos valorizar mais esses fugidios momentos, fazer silêncio, olhar mais no fundo dos olhos a quem nos direcionamos, e ouvir com a alma o que essa outra pessoa quer nos dizer nas entrelinhas.

Precisamos sentir mais amor por nós mesmos, aceitando nossa vulnerabilidade, nossas limitações, nossos defeitos, mas ressaltando nossas qualidades, virtudes e toda a beleza de sermos seres únicos e especiais. Afinal de contas, como é possível amar o próximo sem amar a si mesmo?

Não precisamos estar sempre certos, termos superpoderes ou sermos reconhecidos mundialmente por um grande feito para sermos especiais. Para sermos especiais, precisamos apenas aprender um dos reais sentidos da caridade, que é doar-se aos outros, doar seu tempo, seu sorriso, sua atenção, sua energia, uma palavra ou ombro amigo. Muitas vezes, basta apenas tua presença e um abraço consolador. Isso, sim, nos faz especiais para alguém e, ao mesmo tempo, faz com que também nos sintamos especiais. O bem que fazemos retorna a nós mesmos.

Todos somos especiais. Você que lê esse texto, neste exato momento, se torna especial para mim, pois dedicas uns minutinhos do teu precioso tempo para mim, para o que eu sinto e quero compartilhar através da escrita. Sim, você é especial, e faz com que eu me sinta especial. Gratidão!

Francine Pressi

Sim, você pode escolher!

Não sei se você compartilha da mesma opinião que eu ou não, mas hoje preciso falar do que sinto. Tem vezes que olho ao redor e vejo tanta gente vazia, tantos sorrisos engessados, olhares amargurados, humores acinzentados… Tem vezes, muitas vezes, que nos defrontamos com grandes dores físicas e emocionais, perdas inestimáveis, e nos vemos mergulhados em pensamentos sombrios e depressivos, que parecem não cessar jamais, como uma imensa nuvem negra pairando sobre nossas cabeças. Mas sabe, vou te contar um segredo: TODOS NÓS passamos por MOMENTOS assim! Você não é a única pessoa do mundo a estar sofrendo por algo nesse instante.

Repara bem! Olha atentamente ao teu redor… Percebe? Você está constantemente rodeado por pessoas, e cada uma delas traz consigo uma bagagem tão pesada quanto a sua, todas tem os seus fardos a carregar. Agora presta um pouco mais de atenção! Quantas delas têm uma carga de sacrifícios por vezes, muito maior do que a sua? Como elas agem e reagem a cada nova prova? Agora observa a si mesmo. Como você se comporta diante de seus próprios sacrifícios, provas e obstáculos? Reflita.

Tá nas tuas mãos o caminho a seguir. Você pode olhar para tudo isso e sair por aí com uma cara fechada, espalhando palavras duras, muita amargura, egoísmo e negatividade. Ou você pode com gratidão e resiliência, ser um exemplo de pessoa amorosa, que é capaz de superar a si mesmo todos os dias, e distribuir aos outros, aquilo que muitas vezes nem chega a receber dos demais, que é o amor, carinho, atenção, respeito, gentileza, doçura nas palavras e ações.

Tenho mais um segredo pra te contar! Antes de receber, você precisa aprender a oferecer. Antes de ser amado, você precisa aprender a amar, inclusive a si mesmo. Você é capaz de ser gentil e sorrir, mesmo depois de ser tratado com azedume por alguém que ainda não aprendeu nem a se amar. Mostre a essa pessoa que é possível, que ela também pode tentar e que não custa nada baixar a guarda e mostrar os dentes, ceder o lugar para alguém mais velho, dizer muito obrigado, desculpa, com licença, pode passar. Que não cai nenhum pedaço se oferecer seu silêncio depois de um comentário maldoso e desnecessário. Que demandar um minuto do seu tempo para simplesmente ouvir a dor do outro, pode ser altamente recompensador, pois sem dúvida, é uma excelente forma de caridade!

O mundo precisa de mais doçura, de mais gentileza, amor e poesia. Não sejamos mais tão rígidos e egoístas, saibamos olhar para os lados e sermos mais pacientes, tolerantes e termos mais compaixão daqueles que ainda não aprenderam a lidar com suas dores. Saibamos reconhecer que nós mesmos, muitas vezes também não sabemos lidar com as nossas, e gostamos tanto quando somos ouvidos e auxiliados não é mesmo?! Então aprenda a lidar com seus problemas sem descontar nos outros e auxilie aqueles com o pouco que você já sabe! É assim que evoluímos juntos, no convívio diário, com as relações mais complicadas, nas situações mais adversas, nos limites de nós mesmos e de nossas dores. Somos muito maiores e mais fortes do que podemos supor. Arrisque fazer diferente, tente ser cada dia melhor e mais doce consigo mesmo e principalmente com os demais! Você precisa disso, o mundo precisa disso! O ódio só se cura com o amor!

Francine Pressi

A essência é verdadeira

Ouvi dizer que o amor pode ser comparado a uma barra de chocolate. Todas as pessoas nascem com uma barra inteira de amor e vão distribuindo seus quadradinhos para quem for importante pelo caminho que se chama vida. A primeira pessoa recebe um quadradinho, a segunda recebe outro, algumas pessoas que se tornam mais importantes podem receber dois, alguma até pode receber meia barra e pode ter aquela que recebe o teu último pedaço.

O que fazer quando a barra acaba? Tem quem escolha pensar que não há mais possibilidades de distribuir sentimento, carinho, admiração, amor, leveza e coisas boas. O tipo de pessoa que pensa que fazer o que bem entende é ótimo e que se colocar no lugar do outro pouco importa.

Há quem escolha procurar outras barras que estão escondidas pelas pedras e escadarias da vida. Aquele tipo de pessoa que parece que não se importa com nada, nem ninguém, mas que no fundo acaba distribuindo amor e todo sentimento bom que se tem. O tipo de pessoa que pensa antes de tomar alguma atitude que possa mudar o rumo do que se pretendia vivenciar.

Encontra mais umas duas ou três barras e sai distribuindo para a família, os amigos, os desconhecidos, os novos amores. E quando está no fim, reserva a última carreira de quadrados pra distribuir com pessoas especiais demais. Encontra algumas, conhece-as, mas não consegue enxergar a verdadeira essência de cada um.

Mas essência é algo muito forte e que só consegue enxergá-la quando se tem uma ligação/conexão enorme. Isso acontece, mesmo parecendo louco. Sabe quando tu encontra alguém e vem aquela sensação de que vocês já passaram muito tempo juntos? Não é questão de quanto tempo tu conhece alguém. A questão é o quanto tu te permite conhecer, se entregar, vivenciar e deixar acontecer. Eu sou daquelas que prefere fugir, mas algumas pessoas me prendem.

Prendem pelo olhar penetrante que entra na minha cabeça e não vai embora. Prendem pelo sorriso contagiante que não sai da minha mente. Prendem pela mão suando que não consegue soltar a minha. Prendem pelo abraço verdadeiro que não termina rápido. Prendem pela química, pela conversa boa, pela essência. Essência… É quando tu escreve mil palavras, mas o teu coração acelerado não te deixa mentir.

Assim, eu te deixo partir.

Luana Taís Nyland

Página 1 de 5

Powered by Blog Cafeína Sua dose de entusiasmo;